21.9.14

KARMA DA MEIA-NOITE


- Vou decorar o número do teu telefone porque a bateria do meu celular descarregou...
- Tranquilo, liga aí que a gente marca uma cerveja.

Alguém assim, moreno e muito concentrado, como todos nós queremos e eu me preocupava com alguma circunstância, como se eu pudesse comparar vivências ou sei lá o quê. Tudo era motivo para uma lista no caderninho, outro tópico a ser almejado, ou o tempo que a gente não tem pra ler um livro de autoajuda. Aquelas coisas que acontecem quando a noite paira suspensa numa madrugada de nada, quando tudo o que se espera é a chegada do táxi, ou aquele idiota que se diz muito intelectual e que teve a audácia de lançar uma opinião sobre mim e eu, em hipótese alguma (seria também audácia?) jamais perderia meu tempo ao dizer o nome. Coitado.

Enquanto eu me esquivava das ciladas da mente, das ciladas potencializadas pela opinião alheia, eu vi aquele cara cair de paraquedas no mundo quando, nos lapsos do drama, eu lembrava daquela música da PJ Harvey sentada ao piano num programa de TV inglês. Aquilo mexeu comigo e vira e mexe eu me espanto, me recuso a dormir na hora exata; e ainda por cima dou boas gargalhadas ao meu reflexo no espelho, tão bobo, e você com aquela pinta dos babacas. PJ cantava uma música arrasadora, mas com a voz que falhava como as dores e os porquês, quase sem um pingo de importância para a galera que se perde nos círculos da alegria, nos objetivos amorosos, mas que na prática é puro buraco negro e também audácia. Um pingo de sensibilidade negativo.

Aos 31 a ironia não tem mais graça, o corpo se descostura cedo ou tarde (a paciência também). Aos poucos as coisas se afunilam e eu quero me afunilar gostoso, principalmente quando os raros amigos se tornam cúmplices e, pronto para o night out, observo pessoas incríveis que dançam sozinhas no meio da pista de dança esboçando apenas frieza e olho de cristal maciço. Neste momento a dor não se apodera e o alívio quer ser mais rápido, assim como a pista de dança. É que balzaquianos são mais gostosos. Mas por favor não insista, cedo ou tarde a verdade te engole.

Aí em plena “eis a questão” das quartas-feiras, você e eu, os cansados de guerra, porém gatos escaldados, cuspimos naquele prato merecido e vivemos outra vez. Ao alcance não há saída de emergência, nem um boy de capricórnio. Tudo se resume num limbo à queima roupa em pleno verão. Mas onde é o verão? Ou melhor, quem viver, verão.


Círculávamos entre as ruas sujos de nós mesmos, talvez às 3 da manhã, rondando de esquina em esquina, shorts apertados, boca sedenta e nariz escorrendo. Partíamos em busca, voltávamos para duas cervejas saideiras, o estardalhaço, o dia amanhecendo, o livro de poemas amassado na bolsa, This Is How We Do da Katy Perry na cabeça enquanto eu, muito atento, me inteirava da nova postagem do Xavier Dolan no Instagram.

STEVIE NICKS - THE DEALER



17.9.14

LIFTING

diante da sua presença, caio fora, vou andar de patins, escolher um filtro que me defina, adorar ao deus-dará, fugir do verão, odiar as pessoas certas, e de quebra, arrasar no lifting.

14.9.14

HOMOFOBIA

Eu não canso de me chocar com a violência desse país, da realidade-cão, das falsas verdades que, vira e mexe, tentam oprimir a realidade das coisas; e da homofobia que rege essa sociedade hipócrita.

Então segue aqui uma "cartilha da verdade", meu pequeno gesto de solidariedade à família do jovem João Donati, de 18 anos, assassinado brutalmente. Lembremos então que ele não é, não foi, nem será o único.

Leiam com atenção as palavras de Daniel Borrilo, professor da Universidade de Paris e autor do livro "Homofobia":

"Muitos homens que assumem um papel ativo na relação com outros homens não se consideram homossexuais (…). Mas não basta ser ativo, é preciso que a penetração não seja acompanhada de afeto, pois isso coloca em perigo a imagem de sua masculinidade. Eis então como, a partir de uma negação, vários homens, mesmo tendo relações homossexuais regulares, podem recusar toda e qualquer identidade gay e ser homofóbicos. O ódio serve à reestruturação de uma masculinidade frágil, que necessita se reafirmar por meio do desprezo dos outros-não-viris: o frouxo e a mulher".

Triste, but true.

8.9.14

ESTAREI ENGANADO?


Ainda não me vi perto dele porque o segredo maior de todos sambou na minha cara. Aí anoto os planos de quem eu sou e os rostos que eu gostaria de ver. Preciso então mudar o clima, cuidar da pele, arrancar os pelos, encarar o sol. Vejo muito tempo a noite e suas caricaturas; é tanto silêncio (estarei enganado?) - príncipe que vai e volta, o terror caliente dos motéis, carona na madrugada. O universo como aquele animal que você afagou com carinho.

24.8.14

THANK YOU



queria deixar registrado o meu agradecimento aos que compareceram à palestra sobre o meu livro. foi um momento muito bonito e importante pra mim. gracias também às mensagens positivas após o evento. foi lindeza total.