14.4.14

QUERIDXS

clarice dizia que entender não é questão de inteligência, e sim de entrar em contato com a coisa. ou toca, ou não toca. 

aí eu fico encantado quando vejo pessoas que leram o meu livro captaram toda a essência do Salão Chinês.

cliquem nos nomes dessas pessoas maravilhosas abaixo e olhem que maravilha:





*Salão Chinês está em pré-venda no site da Editora Patuá. A página do livro você vê AQUI

3.4.14

SALÃO CHINÊS


mais um dia para ser lembrado com muita alegria.

Salão Chinês, o livro que eu tanto amo e tenho orgulho, finalmente foi lançado para pré-venda no site da editora patuá.

foram dois anos de muito trabalho, noites sem dormir, dúvidas e dramas. na verdade trata-se de um livro-resposta em relação ao mundo, à vida, à solidão, ao amor.

agradeço ao meu querido editor eduardo lacerda, pois sem sua confiança isso não seria possível.

a editora patuá realmente faz a diferença no mercado editorial, quebrando barreiras e investindo em gente de muita competência e talento.

a capa e o projeto gráfico são do também incrível leonardo mathias (que captou como ninguém a imagem do que eu queria transmitir).

em maio será a festa de lançamento e o link do livro você vê AQUI


30.3.14

O LIVRO (2)

a expectativa continua aqui, gritando, pois o meu Salão Chinês é sobre:

a solidão,
as reflexões de apartamento,
os excessos da vida e da noite,
as influências das personas que cruzam o seu caminho,
os amores que não deram certo,
e a esperança de dias melhores.

o livro é uma colcha de retalhos onde eu misturo prosa, poesia, diário, conto, fragmento, relato, verdades e mentiras.

quem escreveu a apresentação do livro foi o maravilhoso tadeu sarmento, meu grande divo que captou como ninguém a essência da coisa em si.

as datas exatas, tanto do lançamento quanto da festa de comemoração, divulgarei aqui mesmo. 

abaixo, uma foto que o sweetheart fellipe fernandes fez quando recebeu o livro por e-mail.

28.3.14

O LIVRO

queridos do coração,

é com uma alegria imensa que informo a vocês que o meu livro, Salão Chinês, vai ser lançado (finalmente) em abril pela editora patuá.

foram dois anos de muito trabalho, ansiedade, noites sem dormir, crises existenciais e muito drama.

informarei o quanto antes as datas da pré-venda e da festa de lançamento. 

abaixo, alguns teasers do que está por vir.



25.3.14

EU QUIS FOTOGRAFAR O DIA



dia 22:

hoje, literalmente, eu quis fotografar o dia.
registrar no limbo de 40 graus toda a desestrutura em nós, cidades, versus minha sobrancelha arqueada de tédio.

pois tudo o que eu vi foi:

um camelô (boy magia) sem camisa cantando (ironicamente) uma canção de amor;
uma mulher vendendo quentinha à R$5,00 sob o sol escaldante;
lindos jovens magros, estilosos, tatuados e dispersos;
minha tristeza pela conta do meu celular que veio caríssima;
interrupções constantes quando eu deveria falar sobre mim e sobre o que sinto;
um homem com o nariz perfeito, porém aparentando menos de 1.60 de altura;
fotografia de dois quadros banais no restaurante;
uma brincadeira com meus alunos adolescentes sobre qual celebridade é você;
uma visita inesperada;
gritaria desnecessária,
algumas latas de kaiser e duas heinekens;
o cansaço que me impossibilitou de sair na noite;
e-mail escrito e respondido com planos paradisíacos para agosto,
carteira de cigarros vazia;
drama (que simplesmente acontece);
e o mundo girando e girando, quando, eu deveria me concentrar no meu mundinho.

p.s. preciso urgentemente de um novo plano de sobrevivência antes que eu me afunde neste mar de marasmo e ausência de orgasmos.







20.3.14

MORRO DE INVEJA


gente linda e querida,

pela primeira vez na vida, resolvi fazer um vídeo onde leio um poema meu
cujo título é "morro de inveja". na verdade, eu queria tanto 'me filmar'
que acabei escrevendo o texto na hora.


eu e meu eterno gosto pelo fugaz. espero que gostem, amem e compartilhem. 
risos.

16.3.14

DIÁRIO, DIA 15, QUASE MADRUGADA




Preciso muito registrar a máscara fugaz da (minha) vida (olha que audácia); os sonhos – numa espécie de exercício à queima roupa, quase vingativo, contra a rebelião dos espectros (e das rugas).

Eu me tranco no apartamento e encaro as paredes do quarto. Interpreto Cinderela aflita, tão loura, opaca e obtusa.

Perco então o fio da meada. O relato doméstico se transforma num discurso impulsivo de virginiano. Adoro o drama e não nego.

Ou: você riu do  meu coração estremecendo em pleno calor insuportável dos trópicos.

14.3.14

DIA 13

não suma, não sofra, não espere ligação no dia seguinte, não force a barra, não mate, nem morra.